Novas pistas para encontrar anãs castanhas
10 de Novembro de 2020

É uma descoberta excitante: os astrónomos detetaram um planeta longe do nosso Sistema Solar – ou seja, um exoplaneta – de uma nova forma: através das ondas de rádio!

Anãs Castanhas

À medida que as nuvens de gás cósmico se contraem, tornam-se mais densas e quentes. Quando a temperatura no seu centro atinge uns escaldantes 10 milhões de graus, essa zona central irrompe em chamas, e torna-se uma nova estrela brilhante. Mas nem todas as nuvens de gás que entram em colapso conseguem atingir as temperaturas extremas que são necessárias para o nascimento de uma estrela. As que não chegam a esse ponto são conhecidas como estrelas falhadas, ou ‘anãs castanhas’.

Tal como as estrelas, as anãs castanhas criam a sua própria luz, porque estão ainda assim muito quentes. Elas brilham em tons avermelhados, e emitem luz infravermelha, invisível (como a que sai dos nossos controlos remotos). Mas as anãs castanhas são mais pequenas, menos brilhantes e mais frias do que as verdadeiras estrelas.

Uma colaboração de sucesso

Na astronomia é muito comum que a colaboração entre várias organizações ou telescópios conduza a novos resultados entusiasmantes. Neste caso, uma colaboração entre a LOw Frequency Array (Rede de baixa frequência), que é um radio-telescópio na Europa, o telescópio Gemini North e a InfraRed Telescope Facility (Telescópio de infravermelhos) da NASA (ambos localizados em Mauna Kea, no Hawai’i, Estados Unidos) levou à primeira descoberta direta de uma anã castanha fria através da utilização das ondas de rádio!

Uma estreia na rádio

As ondas de rádio são um tipo especial de luz, que não conseguimos ver com os nossos ohos. Os radio-telescópios aqui na Terra, como os que foram usados nesta descoberta, são normalmente utilizados para investigar planetas, cometas, gigantescas nuvens de gás e poeira, estrelas e galáxias. Ao estudar as ondas de rádio que nos chegam vindas destas fontes, os cientistas podem descobrir do que são elas feitas e como se movimentam. As ondas de rádio são especialmente úteis porque não são afetadas pela luz do sol, por nuvens ou por chuva.

Antes disto, as anãs castanhas eram descobertas sobretudo através da luz ótica (a que podemos ver com os nossos olhos) e / ou da luz infravermelha (que atravessa poeiras e nuvens). Portanto, esta é uma estreia entusiasmante na rádio-astronomia. Passa a existir um novo método que permite que os cientistas descubram anãs castanhas, e este resultado também quer dizer que a astronomia deu um passo espetacular na aplicação da rádio-astronomia ao excitante campo da procura de exoplanetas.

Facto curioso

A temperatura no centro de uma anã castanha é inferior aos 3 milhões de graus. Isto é “frio” quando comparado com o que se passa no núcleo do Sol, onde se chega aos 16 milhões de graus!

This Space Scoop is based on a Press Release from NOIRLab.
NOIRLab

http://www.portaldoastronomo.org

Imagem
Versão para imprimir
Mais space scoops

Ainda com curiosidade? Aprende mais...

O que é o Space Scoop?

Descobre mais Astronomia

Inspirando uma nova geração de Exploradores Espaciais

Amigos do Space Scoop

Contacta-nos

This website was produced by funding from the European Community's Horizon 2020 Programme under grant agreement n° 821832